domingo, 6 de dezembro de 2015

A Cor do Som no Cultural

Por conta do predomínio absoluto de shows tributos no Cultural, não sou mais, apesar de gostar muito da casa, um seu frequentador assíduo. Atualmente, e isso é uma questão política, só subo se houver som autoral.

O Cultural faz parte da minha vida e sou eternamente grato pelos grandes shows que tive a oportunidade de assistir lá. Ontem, dia 05 de dezembro, fiquei devendo mais um agradecimento à casa por poder propiciar a um público tão carente de cultura um show histórico. Ouvir A Cor do Som com a sua formação original, ou seja, ouvir Mu, Dadi, Ary, Armandinho e Gustavo se apresentando,  juntos e emocionados com a receptividade de um público de fãs, que apesar do longo recesso da banda ainda preserva consigo toda a cor daquele som, não tem preço. É coisa pra se guardar pra sempre.

Que banda, que músicos maravilhosos. Que som! Um som que não existe mais. É rock, é choro é Bahia. É canção e é instrumental. No entanto, é a parte instrumental a que pega fogo, a parte cantada é confraternização. E a plateia já sabia cada nota, cada palavra. E a banda lá de cima, afiada como se jamais tivesse deixado de estar junta, impressionava a todos, mesmo aqueles que subiram pensando ser mais um dia de tributo no Cultural. Mas não era, e era evidente. Alguma coisa acontecia ali. Não era a tentativa de se reviver algo que já tinha acontecido. Alguma coisa grande acontecia ali. Era uma noite histórica, e estava escancarada a emoção da banda.

Estavam todos prontos para mais uma vez dar o melhor de si. Muita guitarra baiana, muito moog, muitas canções, muitas vozes. Uma cozinha brasileira, Ary na percussa, Gustavo na bateria e o reforço esplêndido do eterno Menino-Deus Dadi.

Voltei com a impressão de que esse show seria apoteótico, como fora aqui, em qualquer palco do mundo. Armandinho é um Hendrix baiano, Mu é um Wakeman carioca que canta, Ary e ritmo, vigor e simpatia, Gustavo um bateirista do rock e da síncope e o Dadi é mesmo demais. É luxo só.

Como se não bastasse. Ainda tivemos a honra de contar com participação especial luxuosa do nosso Joãozinho da Percussão, ele que tocara com a A Cor do Som bem no início da banda, subiu no palco ovacionado pela banda e pela plateia e ficou até o fim do show arrebentando nas congas!

A casa não estava cheia como de costume, talvez por não ser dia de tributo, mas estava repleta de amor, de ritmo, de som, de canções e de sorrisos. Casa cheia pra mim é isso.

Viva o Brasil!

7 comentários:

  1. Saí de moto do Rio de Janeiro e fui!
    A Cor do Som sempre me deixa feliz!

    ResponderExcluir
  2. Que ótimo! Tenho certeza que valeu muito a pena. Foi lindo. Obrigado pela leitura e pelo comentário.

    ResponderExcluir
  3. Foi histórico mesmo! Deixei meu marido e meu filho de quase 3 anos em Belo Horizonte, e fui, de ônibus, para a casa da minha mãe, em JF, fazer parte dessa festa. Até a chuva que caía sem parar deu trégua. "Lindos, lindos, sempre a nos iluminar".

    ResponderExcluir
  4. Cara, no início do ano vi que a banda tinha voltado pra uma turnê pelo Brasil e pedi pro Marcelão. Mas confesso, não acreditava que seria possível, mas foi. Foi bem além do possível, perto do incrível, aquele momento que é único e por uma alegria do destino, eu estava lá. Valeu Marcelão!!!

    ResponderExcluir
  5. Cara, no início do ano vi que a banda tinha voltado pra uma turnê pelo Brasil e pedi pro Marcelão. Mas confesso, não acreditava que seria possível, mas foi. Foi bem além do possível, perto do incrível, aquele momento que é único e por uma alegria do destino, eu estava lá. Valeu Marcelão!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Valeu, Marcelão! Ainda bem que estávamos lá para presenciar tanta beleza pura!

      Excluir

Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil